Tempo de leitura: 2 minutos

Vestígios  de metal, pedaços de vidro ou de plástico em alimentos são em vários momentos detectados pelo consumidor, com a consequente retirada do produto do mercado. São os chamados materiais estranhos, elementos alheios aos ingredientes de um produto alimentar que costumam vir em muitas ocasiões das matérias primas ou do mesmo ambiente em que o alimento foi processado.

Em uma indústria alimentar como a europeia, onde os níveis de controlo são cada vez mais exigentes, como podem ser inspecionados os alimentos para verificar, antes que cheguem ao consumidor, que não contém elementos estranhos? Sua rápida detecção e o aumento da segurança e qualidade dos alimentos é uma das preocupações do setor, do consumidor e das autoridades.

Agora, Ainia Centro Tecnológico, depois de cinco anos de pesquisas, conseguiu desenvolver uma nova tecnologia aplicada à indústria alimentar capaz de obter um mapa de composição em tempo real do produto que está sendo processado. Uma tecnologia revolucionária baseada na visão espectral que permite ir mais além das limitações que tem os sistemas de inspeção convencionais como os raios X, que somente são capazes de detectar elementos de alta densidade.

O alimento produzido é iluminado com lâmpadas infravermelhas enquanto uma câmara capta imagens do produto que são processadas por um sistema informático de alto desempenho que, através de logaritmos avançados, transforma em imagens químicas. Ou seja, identifica do que está composto o alimento e qual é sua concentração: que quantidade de proteínas, humidade, gordura ou açucares contém ou, por exemplo, qual é o grau de maturação da fruta. Ao mesmo tempo, a tecnologia permite detectar com muito maior precisão possíveis materiais estranhos como metais, plásticos, ossos, restos vegetais, etc, que possam aparecer no alimento durante sua produção, por exemplo, em frutos secos ou em elaborados de carne ou pratos preparados. Deste modo a nova tecnologia tem uma grande aplicabilidade para melhorar e aperfeiçoar o processo de produção, assim como a melhoria do controlo de qualidade e segurança na matéria prima ou no produto final.

Esta tecnologia pode ser aplicada a qualquer produto reduzindo custos de inspeção e produção, melhorando assim a eficiência e a segurança alimentaria ao verificar 100% da produção de uma empresa alimentar de forma muito mais rápida e confiável que um produto é seguro. Ainia é o primeiro centro em Espanha que conta com a capacidade de aplicar esta tecnologia em tempo real cobrindo todo o espectro infravermelho próximo.