Tempo de leitura: 1 minuto

No Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía, com o apoio da Fundação Telefónica, que se levou a cabo em 2012, o projeto “Viagem ao interior do Guernica”.

O objetivo do projeto é estudar em profundidade o estado de conservação do Guernica. Levando em consideração que o ultimo estudo publicado em 1998, 14 anos depois está-se a desenvolver um novo trabalho de inspeção da obra, utilizando as técnicas mais inovadoras até hoje, em imagem de luz visível, ultravioleta, infravermelho, 3D, etc.

Para este propósito, o Museu desenvolveu um sistema automático robotizado de grandes dimensões, especialmente idealizado para o estudo desta obra que mede 349,3 x 776,6cm, mas que poderá ser adaptado a futuros projetos de estudos de obras de dimensões mais reduzidas.

O robô é controlado por um computador e está configurado para utilizar diferentes tipos de câmaras digitais de alta resolução, com as que se vão capturando pequenas secções da obra numa sequência ordenada. Uma vez finalizada a fase de captura, com os milhares de imagens armazenadas, poderá ser montada a obra completa com elevada resolução.

O Museu utilizou uma câmara XEVA 1.7- 640 da Xenics, para a captura de imagens de refletografia IR. Esta câmara tem uma resolução de 640×512 píxeis e é sensível ao espectro de luz entre os 900 e os 1700nm, o que permitirá o equipamento de investigação do Museu observar a obra com grandes detalhes muito além das camadas superficiais graças à capacidade de penetração da luz nesta gama espectral.

Para a captura da obra completa, são capturadas e armazenadas um total de 13.816 fotografias digitais, cada uma delas corresponde a uma seção de 6,6 x 5,3 do óleo.