Tempo de leitura: 3 minutos

DEFINIÇÃO

A produção em cadeia, também chamada de produção em série ou produção em massa, refere-se à fabricação de um bem a partir da montagem de diferentes peças que se incorporam à medida que passam por determinados centros de trabalho, no qual cada trabalhador realiza uma tarefa específica. 

A produção em cadeia é considerada um grande avanço na era industrial do século XX, especialmente no setor automotivo. Henry Ford foi quem a implantou nos Estados Unidos o primeiro modelo de linha de montagem de produção em massa para montagem de automóveis em grande escala. Isso causou uma revolução no setor e reduziu os custos na hora de fabricar os carros, o que tornou os veículos mais acessíveis para a classe média da época, que anos antes não tinha acesso a esse tipo de produto se não fosse a produção em massa. A partir daí, a produção em série se popularizou em todos os setores industriais. 

HISTÓRIA

A produção em cadeia surgiu na Revolução Industrial (século XIX) como forma de organizar a produção em que cada trabalhador se especializava em uma função específica da produção, manipulando também máquinas melhor desenvolvidas tecnológicamente e elevando a qualidade de produção e tempos de produção por unidade. Hoje em dia parece completamente normal mas, naqueles tempos, foi um passo fundamental da produção artesanal tradicional à nova fabricação industrial.

Taylorismo:

Surgiu nos princípios do século XX, e se baseia na divisão das tarefas do processo de produção. Seu nome vem do engenheiro e economista Frederick Winslow Taylor, que desenvolveu o modelo teórico.

Fordismo:

Seu nome vem de Henry Ford, que foi quem o aplicou pela primeira vez nos Estados Unidos ao mesmo tempo que modernizava o sistema de Taylor e, criando de fato, a produção em cadeia moderna. Ford impulsou a produção em série, a linha de montagem, a padronização, a permutabilidade de peças, assim como proteger os direitos dos trabalhadores.

Toyotismo:

O Fordismo foi substituído pelo Toyotismo nos anos 70 do século XX. Este modelo apostava por uma maior diversificação e flexibilidade frente à rigidez dos modelos antecessores.

TIPOS

Tradicionalmente, as formas de organizar a produção na indústria de fabricação podem acontecer da seguinte maneira: 

Produção fixa:

Neste tipo de produção os produtos a fabricar estão sempre no mesmo lugar e são os trabalhadores que se deslocam. É muito usado em produtos de grande tamanho e difíceis de mover, assim como em produtos que são fabricados em quantidades pequenas. 

Produção por processos:

Neste caso, as atividades similares são agrupadas nas mesmas zonas de la instalação e os produtos são movidos de uma zona a outra segundo as operações que devem ser realizadas. 

Produção por produtos:

Também chamada produção em cadeia, em massa ou em série. Consiste em criar uma linha de fabricação para cada tipo de produto. Este tipo de produção requer uma maior inversão em maquinaria que os modelos anteriores, mas também oferece uma maior capacidade de fabricação.

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Vantagens da produção em cadeia:

  • Ideal para produções homogêneas.
  • Usada sobretudo quando necessitamos de uma grande capacidade de produção
  • É fácil de automatizar.
  • Nos permite economizar custos e tempos de produção e, portanto, reduzir os custos dos produtos.

Desvantagens da produção em cadeia:

  • Requer de um alto investimento em maquinaria.
  • No caso de que haja muitas variações de demanda, pode dar problemas.
  • É necessário reprogramar as máquinas toda vez que o produto a fabricar seja alterado.