Tempo de leitura: 3 minutos

As tâmaras são parte importante da dieta mediterrânea. Estão disponíveis em diversas variedades, porém a mais conhecida é a Madjoul. As tâmaras crescem predominantemente no Oriente Médio, onde são processadas e consumidas.

Como em todas as frutas, existem algumas características como o tamanho, peso, cor e danos exteriores ou interiores que determinam a sua qualidade e o preço. Junto com o tamanho e o peso, a cor e a superfície jogam um papel importante. É normal que a pele se separe da fruta, dependendo da umidade combinada com o conteúdo de açúcar, o que faz com que se formem bolhas na superfície das tâmaras. Estas bolhas têm um efeito não só no sabor, mas também estético, razões que contribuem com a diminuição do seu valor.

Duas empresas Israelenses, Com-N-Sense e Lugo Engineering, desenvolveram em conjunto um sistema automatizado de inspeção e seleção individual de tâmaras utilizando um sistema de visão artificial.

Primeiro desafio antes da inspeção: alimentar o sistema

“As tâmaras não são faceis de trabalhar” cometa Lirian Shahar, diretor de Com-N-Sense. “Em comparação com outras frutas secas, são pequenas e ainda assim mantêm diferenças consideráveis de tamanho entre elas. Além do mais são pegajosas, e depois de colhidas geralmente ficam grudadas entre sí.” Antes de ser inspecionadas devem entrar no sistema de uma forma manejável.

Para separar as tâmaras que ficaram grudadas, Com-N-Sense e Lugo desenvolveram um processo inovador. As frutas são colocadas em um alimentador vibratório com ranhuras em formato de “V”. A vibração separa as tâmaras grudadas e se alinham entre si nos sulcos.

Depois de separadas, são enviadas a quatros esteiras transportadoras paralelas, onde cada uma é capaz de inspecionar 6 tâmaras por segundo, atingindo um total de 24 tâmaras por segundo em todo o sistema.

Um sistema de visão captura 1440 peças por minuto

Cada esteira passa através da estação de inspeção formada por um sensor trigger, uma câmara industrial e uma iluminação. Quatro câmaras Prosilica GC1290C de Allied Vision Technologies estão posicionadas sobre cada uma das quatro esteiras. Cada câmara está conectada a uma iluminação LED tipo dome de 10cm de diâmetro. Tanto a câmara como a iluminação são ativadas através de um sensor por onde passam as frutas.

A câmara Prosilica GC1290C têm uma interface GigE Vision e é especialmente compacta e robusta. A câmara está equipada com um sensor a cores de alta sensibilidade da Sony (ICX445) e é capaz de fazer até 32 imagens por segundo a máxima resolução (1280×960 píxeis).

As imagens capturadas das tâmaras são enviadas a um computador, onde são analisados o formato, quantidade e tamanho das bolhas. Depois dessa analise, as tâmaras são classificadas em diferentes recipientes utilizando um sistema de ar comprimido.

Nível de umidade

O nível de umidade também pode ser medido. Durante a inspeção visual cada tâmara é também pesada. O software, utilizando a imagem da captura, determina o volume e compara com o peso, determinando assim o nível de umidade de cada fruta.

A maioria das frutas, tais como maças, laranjas ou tomates, não está estandardizada: cada uma é diferente da outra na forma, madurês, aspectos visuais, peso, manchas ou marcas, etc. Quanto mais exata seja a inspeção destas características, melhor será a maneira de comercializa-las. Desde o mercado gourmet à indústria de transformação, as exigências de qualidade são diferentes e, portanto, também o preço. Por essa razão, a classificação é tão importante, já que garante que as frutas e verduras não se vendam abaixo do seu valor para o cliente errado.

Durante muitos anos, a Allied Vision Technologies esteve trabalhando em todo o mundo com os principais fornecedores de equipamentos de classificação de produtos. Cada peça individual é medida e analisada neste tipo de sistemas e logo classificadas na categoria correspondente. Com as câmaras digitais de alto rendimento e softwares de imagens, muitas das características podem ser inspecionadas em uma fração de segundos em relação à tamanho, forma, cor, presença de ramos e folhas, marcas, manchas e etc e são assignadas à categoria correspondente. O uso de espelhos posicionados corretamente permite que uma só câmara possa capturar uma imagem 360˚ de uma maça, proporcionando a inspeção integral. Com as câmaras de infravermelho, inclusive os detalhes que não são visíveis a olho nu podem ser detectados, como o conteúdo de agua ou a concentração da fruta, proporcionando informação sobre o grau de madurês e até golpes invisíveis a uma câmara convencional.


YouTube Preview Image