Tempo de leitura: 2 minutos

Aproveitar todo o potencial das novas tecnologias para melhorar a produtividade, qualidade e competitividade dos vinhos Valencianos, é o objetivo de um projeto realizado por investigadores do Grupo de Automação Agrícola e Tecnologia da Universidade Técnica de Valência.

Sob a direção do professor Francisco Rovira, investigadores da Universidade Politécnica de Valência (UPV) desenvolveram um sistema equipado com sensores GPS e tecnologias de visão artificial, com o objectivo de criar mapas para quantificar as mudanças no vigor vegetativo das videiras. Através destes mapas, podem obter informações importantes sobre o estado da vinha, na medida em que existe uma correlação entre a força e variáveis tais como, o grau de maturidade, rendimento, as necessidades de água, a uniformidade de colheita, etc. Além disso, no futuro, esta inovação também pode ajudar na detecção precoce de doença e infestações de pragas.

Os Investigadores da UPV instalaram este sistema num trator agrícola robotizado, que vem a trabalhar desde 2006 e que incluiu várias tecnologias aplicadas como, um sistema de posicionamento global, uma câmara estereoscópica para percepção de posicionamento em 3D e sensores de medição do ângulo para as duas rodas.

Com este projecto, foi incorporado no trator agrícola robotizado, uma câmara de visão artificial JAI CM-140GEcentrado no infravermelho próximo e equipado com lentes diferentes para parcelas de amostragem intensiva e extensiva, assim como computadores mais adequados para as condições de trabalho de campo. Além disso, os investigadores da UPV desenvolveram um software e algoritmo que dá a “inteligência artificial” ao trator. Segundo aponta Rovira, com estes novos equipamentos, pretendem melhorar a percepção sensorial do trator para incrementar a produtividade das explorações e a eficiência no seu manuseamento.

“Pelo fato do mercado da indústria vinícola ser altamente competitivo e criar produtos de alto valor acrescentado, torna-o no candidato perfeito para a transferência de novas tecnologias recentemente investigados no campo da agricultura. Outra vantagem desta incorporação de tecnologias, são as dificuldades encontradas na obtenção de um vinho de qualidade, tais como o crescimento desigual das vinhas, a falta de uniformidade na produção e maturação, ou a gestão de recursos de água. As novas tecnologias robóticas e agrícolas fornecem precisão ao produtor agrícola e proporcionam ferramentas poderosas para enfrentar tais desafios. Assim, o nosso objetivo é fornecer um veículo robótico dotado de um nível de percepção sensorial complexa que permita melhorar a eficiência no manuseamento e gestão das explorações vinícolas”, explica Francisco Rovira.

Os investigadores da UPV avaliaram a tecnologia desenvolvida na zona vinícola de Utiel-Requena, em concreto em terrenos das Bodegas Finca Ardal e Turís (Valência).

Como criar mapas das vinhas

Para criar os mapas de vigor, o trator captura imagens com a câmara sensível ao infravermelho, destacando a vegetação e ajudando o algoritmo a separa-la do resto para a sua quantificação. “Desta forma estima-se a quantidade de vegetação e ao mesmo tempo é criada uma referencia geográfica. Ao ter referências globais, podemos levar as nossas medidas de vegetação a um mapa que o agricultor poderá utilizar para a sua planificação, que servirá também como ferramenta de planificação de trabalhos futuros” explica Verónica Sáiz, investigadora do Grupo de Mecanização e Tecnologia Agrária da UPV.